quarta-feira, 30 de novembro de 2016



Dança Circular. Pesquisa e prática de danças
circulares tradicionais brasileiras

Danza circular. Investigación y práctica de danzas circulares tradicionales brasileñas




Caroline de Miranda Borges

1 / 1 


Histórico

"Considerada a mais antiga das artes, a dança é uma manifestação espontânea do ser humano, podendo ser expressa individual ou coletivamente.

Aparentada aos gestos mais elementares da vida, a dança primitiva logo forjou seus ritmos e seus ritos. Dançar era, ao mesmo tempo, viver, transcender o cotidiano, iniciar-se nos mistérios da vida, da morte e da fertilidade. A dança com o passar dos anos, enriqueceu-se de fórmulas, de construções que se tornaram passos tão numerosos quanto às palavras, encadeando-se traduzindo situações, estados de alma. Utilizando as palavras, depois as batidas de mãos e de pés como acompanhamento, a dança apoderou-se, em seguida, da música. (Larousse, 1995)

Em 1867 Jean-Baptiste Carpeaux (1827-1875) pintor e escultor Frances disponibilizou um modelo original em gesso denominado “A Dança” (Figura 1) onde evidencia mulheres em movimento circular retratando de forma singular a dança circular e suas vertentes. Obra exposta no Museu d’Orsay em Paris – França.



Figura 1. A Dança de Jean-Baptiste Carpeaux

Uma pintura de 1910 (Figura 2) de autoria do francês Henri Matisse exposta no Museu do Hermitage em São Petersburgo – Rússia descreve a dança como um grupo de pessoas brincando em roda. Nesse quadro o autor cria uma sensação rítmica através da sucessão de nus dançantes que transmite os sentimentos de libertação emocional e hedonismo.



Figura 2. A Dança de Henri Matisse

A dança e outras atividades que envolvem movimento corporal muitas vezes são ignoradas no contexto da cura e das terapias que visam o bem-estar, mas elas são membros poderosos desse grupo e tem sólidas ligações com corpo, mente, emoções e espírito.

A dança é mais natural para os que possuem uma estrutura corporal forte e esguia e propensão à boa coordenação, mas como terapia, a dança e o movimento estão disponíveis e são úteis para todos sem distinção. Quando o tato e a sinestesia estão envolvidos, ela se torna muito útil para pessoas cujos movimentos e coordenação foram prejudicados devido a danos no sistema nervoso. Além disso, a dança e o movimento são úteis ao desenvolvimento do equilíbrio e coordenação, da autoconfiança e da consciência do corpo. Quando realizada até seus limites máximos, a dança como arte proporciona ao dançarino e aos que participam dela uma experiência espiritual sublime. (Peter Albright, 1973).

A dança circular sagrada ou dança de roda, é uma prática que reúne vários tipos de danças tradicionais folclóricas de diferentes locais do globo. O pesquisador Bernhard Wosien (1908-1986) (Figura 3) foi um bailarino e coreógrafo alemão que teve o interesse em viajar o mundo para conhecer as diversas manifestações de danças tradicionais. Já por volta de seus sessenta anos de idade, Wosien em visita ao vilarejo de Findhom na Escócia, foi convidado a apresentar uma coletânea das danças que havia aprendido durante a sua empreitada. Foi nesse momento que, ao ensinar a dança, compreendeu que já havia encontrado o que buscava: uma dança capaz de expressar verdadeiramente os seus sentimentos. Essa dança, então, foi denominada de dança circular sagrada.



Figura 3. Bernhard Wosien

O termo “sagrado”, utilizado como adjetivo tem a função de expressar os seus objetivos: capacidade de fazer emergir o respeito ao próximo, o carinho por si e pelo outro e a melhora da autoestima, já que é realizada em grupo. Quando englobada pelo universo místico-religioso, as danças circulares centram-se no conceito de “energia”, já que se acredita que a roda, formada pelas mãos dadas dos praticantes, seja capaz de fazer circular uma energia boa, podendo até ser curativa.

No Brasil, a prática e o estudo das danças circulares sagradas chegaram de forma técnica e documental na década de 1980, por meio do primeiro instrutor brasileiro Carlos Solano aluno da Fundação Findhorn e aluno de Anna Barton, outro ícone dessa categoria de dança.

Anna Barton em um dos seus registros descreve a sua história pessoal sobre seu encontro com Bernhard Wosien e a sua entrega ao trabalho de pesquisa com os grupos de estudo de dança circular.


“... A Dança reúne, cura, inclui, unifica, ensina, emociona, transcende. É uma parte essencial da Nova Era. Sua influência pode se expandir e ajudar a transformar o mundo.” (Barton, 2006)

Segundo pesquisas as funções e benefícios da dança circular são:


Trazer leveza, a alegria, a beleza, a serenidade e bem-estar.


Proporcionar o trabalho em grupo, sem a perda da individualidade


Mostrar a diferença entre as pessoas


Desenvolver o apoio mútuo, a integração, a comunhão e a cooperação


Proporcionar autoconhecimento e autocura


Harmonizar o grupo antes e depois de praticar suas tarefas cotidianas


Trazer musicalidade e ritmo para a vida diária


Equilibrar o corpo físico, mental, emocional e espiritual


Ampliar a percepção, a concentração e a atenção


Encorajar as pessoas a ocuparem o seu lugar e o seu espaço


Trazer flexibilidade e autoconfiança para a vida


Ajudar a combater o estresse e a depressão

Segundo Rudolf Laban as formas e ritmos de nossos movimentos são poderes através dos quais podem ser realizadas as ações práticas; no entanto, contêm também fortes doses de energia geradora e dão lugar a reações de consequências, ou benéficas ou desastrosas. O homem demonstra, por intermédio de seus movimentos e ações, o desejo de atingir certos fins e objetivos. Podemos referir-nos a estes últimos como sendo valores, tanto de natureza material quanto espiritual. (Domínio do Movimento, 1978)"

Fonte: http://www.efdeportes.com/efd184/dancas-circulares-tradicionais-brasileiras.htm















Nenhum comentário:

Postar um comentário